sábado, 23 de março de 2013



Beijar é sempre bom. 
Levanta o astral. Rejuvenesce.
Embriaga.
Faz sonhar, faz suar, levando-nos ao delírio. 
Dá taquicardia. 
A boca sente os desejos da alma, os mais secretos.
Quando dois lábios se unem, a intimidade é revelada.
Segredos são compartilhados.
É o início de um incêndio que, posteriormente, percorre o corpo todo.
Não há nada mais sublime que o beijo.

Beijar é apenas o começo.
E também, a despedida.
É a cumplicidade de todos os momentos.
É a entrega. Entrega plena e mágica, com o poder de acordar a bela adormecida.
Com o poder de acalmar os ânimos em uma briga.
Sente-se, no ato de beijar, o calor dos lábios, o sabor do outro, o desejo pelo outro.

Se não há vontade de beijar, não há tesão.
Se o beijo for ruim, então, pode esquecer, não dá vontade de continuar, não dá vontade de beijar de novo.
É engraçado, o beijo é um ato extremamente simples e, ao mesmo tempo, bastante complexo.
É como uma assinatura. Beijo bom fica na memória.
Beijo muito bom marca a pessoa por uma vida.
E não se engane, beijo ruim também.
Portanto, minha amiga, beije, beije muito e vá treinando.
Na verdade, não sei se realmente é válido o treinamento, há coisas que já nascem com a gente.
Claro que tudo nessa vida dá para ser aprimorado.
Portanto, o treino ainda não está descartado.

Beijo envolve contato, olhares, uma relação corpo-a-corpo.
Com todo o respeito, mas Bill Gates ainda não inventou beijo “internético”.
Ainda bem, pois algumas coisas precisam manter a tradição.
Além do mais, já foi comprovado: beijos, abraços e carinhos são ótimas atividades para a saúde do coração.
Beijo virtual é só pra ficar na vontade.
Beijo de verdade tem que ser macio, molhado, demorado, aí sim, faz aquele estrago.

O beijo tem o poder de seduzir, amolecer as pernas, causando desde arrepios a devaneios psíquicos.
Ao beijar, perde-se a noção de tempo, espaço e lugar.
O ato de beijar é o causador de distúrbios e alterações comportamentais.
Não há nada mais lindo que a união de dois lábios, transportando física e mentalmente duas pessoas em uma só.
Mas, cuidado, beijo também vicia. (Ah… bom se todos os vícios do ser humano fossem igual a esse).

No final das contas, não importa se o beijo for fraterno, com más intenções, somente por provocação ou insinuação, por amor, pra toda vida, ou ainda se for só por sacanagem, só por uma noite.
Não importa se o beijo for no nariz, na boca, na bochecha, no pescoço, na mão, no tornozelo, na orelha, na coxa, no umbigo, na virilha ou em qualquer outro lugar que sua imaginação e criatividade te conduza.
Não importa se for beijo de língua, selinho ou mordidinhas de prazer.
O importante é beijar e desfrutar intensamente.
Quanto poder tem o beijo.
Que delícia é beijar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário